“Esta espécie de retrospetiva do trabalho da Joana Vasconcelos, com mais de 30 peças, transportou-nos para uma viagem imaginária na nossa frágil vocação artística. Esta portuguesa levou este enorme grupo MAPFRE no passado sábado a Serralves. Viajámos todos nesta exposição pouco consensual, fora da caixa, divisiva, sem significados óbvios. E segundo a nossa guia (a Andreia) é isso mesmo que Joana Vasconcelos é.

Que bom que é estar naquele local, quase parece que as peças foram concebidas para estar por ali… espalhadas por aquele jardim.

'Solitário', uma instalação composta por dezenas de jantes de carro douradas e centenas de copos de cristal. Um par gigante de sapatos de salto alto construídos com panelas, que forma entranha como ela usa objetos mundanos para construir instalações artísticas, que, por sua vez, em muitos casos representam outros objetos do dia-a-dia. A famosa 'A Noiva', o lustre feito de tampões, 'Cama Valium' que, como o título sugere, é uma cama criada a partir de comprimidos Valium. Divertimo-nos no carrossel! Talvez a mais interativa aqui, os adultos puderam divertir-se. Os assentos são de cadeiras de escritório, que contrassenso não? Pelo caminho há imensos animais Bordalo Pinheiro vestidos com o croché em algodão colorido de Joana Vasconcelos. O 'Call Center' é uma das peças que mais chama a atenção. Dezenas e dezenas de telefones negros antigos do mesmo modelo compõem a forma de uma grande pistola Beretta - e vão tocando à vez, como se alguém estivesse a telefonar para a exposição. Outra delas é 'Burka', uma instalação de ferro e tecidos, em forma de burka, que está pendurada por uma estrutura no alto da sala e que cai com impacto no chão sempre que passam alguns minutos.

A exposição foi muito bem concebida e o grupo MAPFRE esteve muito colaborante e divertido. Alguns dos colegas encontraram em Serralves uma nova casa para voltar. Que manhã tão dinâmica, colorida e divertida. Afinal, as enormes peças de Joana Vasconcelos têm a capacidade de impressionar qualquer um, mesmo aqueles que não se identificam com a visão da artista. A arte nem sempre precisa de ser pensada, por vezes tem simplesmente de ser sentida.

Até à próxima! Em qualquer outro Lugar!”

Graça Cunha | Gerente Loja MAPFRE Porto