O mundo está a recuperar de uma crise sem precedentes na sua causa, profundidade e extensão. Mas também devido à reação rápida e enérgica dos governos e dos bancos centrais, que ajudou decisivamente a elevar muitos índices bem acima dos níveis pré-pandémicos.

O dinheiro "rápido" neste ciclo parece já estar a ser feito. Mas, no meio da revolução tecnológica e da transição ecológica, e com taxas de juro permanentemente abaixo da inflação, continuam a existir boas oportunidades para aqueles que sabem identificar as grandes tendências e navegar calmamente nas oscilações dos mercados. Para o ajudar a investir com sucesso num ambiente tão complexo, esboço alguns dos princípios que guiam a estratégia da UBS nestes tempos.

O ciclo só agora começou. As Ações subiram acentuadamente, mas nem toda a recuperação foi avaliada em termos de preço. O ciclo económico tem vários anos pela frente, impulsionado pelas políticas monetárias e fiscais mais expansionistas da história e pelas grandes transformações estruturais. O crescimento robusto do PIB e dos ganhos, também em 2022, ainda dá um potencial atrativo para as Ações.

Os bancos centrais estão no comando. Mais do que dados económicos ou pandémicos, o fator-chave a ter em conta é a política monetária. Se a retoma da inflação se revelar transitória, eles manterão muita dívida pública nos seus balanços, e as taxas manter-se-ão persistentemente baixas. Enquanto as condições de financiamento governamentais, empresariais e particulares forem confortáveis, é provável que a tendência ascendente continue e os períodos inevitáveis de volatilidade sejam uma oportunidade de compra.

Crise atípica, recuperação atípica. É um erro analisar este ciclo através do prisma das crises anteriores. As causas da crise nada tiveram a ver com a dinâmica económica e financeira, e as revoluções tecnológicas e energéticas dão um vigor adicional. Não há necessidade de um longo ajustamento fiscal ou de uma limpeza do balanço. A maioria das empresas está em melhor forma do que depois de outras crises. Assistiremos a muitas fusões e aquisições de pequenas e médias empresas.

Relevos e rotações. A recuperação está a ocorrer por fases: primeiro a produção industrial e o comércio de mercadorias, agora o consumo, e em breve os planos de investimento público. Entre sucessivas ondas COVID-19, vários episódios de intensa rotação setorial e de estilo deixaram para trás segmentos onde encontrámos boas oportunidades: setores cíclicos (petróleo, materiais, construção, infraestruturas, seguros), mercados acionistas asiáticos (China e Japão), cuidados de saúde e transição ecológica.

A mudança está a acelerar. A digitalização está a acelerar e a revolução energética e a luta contra as alterações climáticas estão a ganhar velocidade. Estas empresas terão um crescimento muito superior à média, e deverão ser uma parte relevante das carteiras. Mas as revoluções também aceleram o declínio de muitas empresas tradicionais, que podem ter uma boa recuperação cíclica, mas a longo prazo continuarão a diminuir na bolsa de valores.

Abundante liquidez cria miragens. Com tanta liquidez, taxas tão baixas e tantas revoluções simultâneas, o ambiente está propício a bolhas especulativas baseadas em histórias que podem revelar-se falsas. Para evitar situações desagradáveis, os investidores a longo prazo devem concentrar-se no verdadeiro valor e perspetivas das empresas, e exercer extrema cautela com as criptomoedas.

O que importa é o "cash flow". Num ciclo tão peculiar, não existe uma métrica única na qual se possam basear as decisões de investimento. Um PER (preço/rendimentos) baixo ou alto dividendo não é garantia de sucesso. O crescimento estrutural tem muito valor num mundo de taxas de juro baixas. Quando se trata de escolher uma geração múltipla, elevada e sustentável de dinheiro, parece ser uma estratégia vencedora a longo prazo.

A Ásia é o motor do mundo. A China e o resto da Ásia emergente continuarão a liderar o crescimento e a transformação estrutural nesta década. Atrasados nos últimos meses, os seus mercados bolsistas continuam sub-representados na maioria das carteiras dos investidores. Na UBS, estamos convencidos de que a paciência nestes mercados será recompensada.

Fonte: Expansión

 


Sobre a UBS

A UBS Group AG é uma empresa de serviços financeiros com sede em Zurique (Suiça), e uma das principais empresas a nível mundial na gestão de fortunas, banco de investimento, gestão de valor mobiliários e de investimentos. 

A UBS resultou da fusão da Union de Banques Suisses com a Sociéte de Banque Suisse.