A chegada do novo coronavírus teve um grande impacto nas nossas vidas e, sobretudo, naquilo que eram as nossas rotinas. Fomos obrigados a reduzir as saídas de casa e a repensar alguns dos hábitos que se mantinham há diversos anos.

Neste “novo normal” passamos mais tempo em casa, mas isso não significa que devamos ter uma alimentação menos cuidada. Uma rotina alimentar saudável ajuda a fortalecer o sistema imunitário e torna o organismo mais capaz de recuperar em caso de doença.

ALIMENTOS QUE DEVE TER EM CASA

É fundamental fazer uma escolha inteligente de calorias, reduzir o açúcar e o sal, consumir menos gorduras e apostar, acima de tudo, nos alimentos que nos fornecem todos os nutrientes que o corpo precisa.

Enquanto caminha pelos corredores do supermercado, com a máscara e assegurando sempre a distância de pelos menos 2 metros de outras pessoas, ou através da internet, tenha em conta que alguns alimentos são “obrigatórios”:

  

Cereais, derivados e tubérculos, como massas, arroz e batatas devem estar em todos os carrinhos de compras.

Estes fornecem grandes quantidade de energia, são ricos em vitaminas do complexo B, ferro, magnésio e fibras, e têm pouca gordura.

Cenoura, cebola, curgete, abóbora, brócolos, feijão verde e couve-flor são hortícolas com durabilidade superior.

Juntamente com fruta fornecem minerais, vitaminas e antioxidantes. Ao consumir estes alimentos diariamente está a proteger o organismo de doenças como a obesidade, doenças cardiovasculares e diabetes, entre outras.

As leguminosas, como as ervilhas, o feijão e o grão, podem ser também fontes de proteína em algumas refeições.

Enlatadas ou na versão seca, são fontes de hidratos de carbono de absorção lenta, o que significa uma saciedade mais duradoura, de fibras, vitaminas do complexo B, magnésio, ferro e proteínas de origem vegetal.

Carne, peixe e ovos devem fazer parte das principais refeições do dia-a-dia.

São fontes de proteína de grande qualidade, vitamina B12, ferro e zinco.

Os lacticínios têm prazos de validade alargados, o que poderá ser útil numa altura em que deve conter-se nas idas à rua.

São os principais fornecedores de cálcio, mas são também fonte de vitaminas do complexo B, proteínas e fósforo.

As gorduras e óleos são bastante benéficos, desde que consumidos com moderação.

Fornecem-nos ácidos gordos essenciais e vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K), que contribuem para a manutenção da saúde visual e da pele, para o correto funcionamento da coagulação sanguínea e para a utilização adequada de cálcio e fósforo por parte do organismo.

A par da alimentação deve igualmente fazer uma ingestão adequada de água, assim como a prática de exercício físico.

A COVID-19 TRANSMITE-SE PELOS ALIMENTOS?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde não existem ainda evidências de que possa haver contágio da COVID-19 através do consumo de alimentos, sejam eles cozinhados ou crus.

Contudo, existem algumas recomendações que devem ser seguidas relativamente a boas práticas de higiene e segurança alimentar:

  1. Lave a bancada e os utensílios;

  2. Lave bem as mãos antes de tocar nos alimentos; 

  3. Lave bem os alimentos, em especial se os vai comer crus;

  4. Evite a contaminação cruzada entre os alimentos crus e cozinhados;

  5. Cozinhe a temperaturas adequadas;

  6. Tape o rosto com o braço se vai espirrar ou tossir durante a confeção;

  7. Evite partilhar loiça, talheres e comida durante a confeção e as refeições.

Não se esqueça, acima de tudo, garanta a sua proteção e a dos que o rodeiam.

Nota: O conteúdo deste artigo foi fornecido pela Médis.